quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Uma Reflexão sobre a Salvação!

                                   


 “NAQUELA MANHÔ

Numa noite, cerca de três horas da madrugada, fui despertado pelo bater de alguém na minha porta. Ali estava um homem inteiramente estranho para mim. Disse: - “Vim pedir-lhe que me acompanhe para orar por uma moça moribunda”. Quando lhe disse que iria assim que o dia clareasse, ele mostrou-se temeroso que fosse tarde demais.
Enquanto trocava de roupa, disse-me ele: -“ Não é um lugar aprazível mas uma casa de perdição. Essa moça parece ter conhecido o senhor e me pediu que o visse buscar para orar com ela”. Procurei tranquilizá-lo sobre o assunto dizendo-lhe que não importava o lugar onde estava, desde que ela desejasse que eu orasse por ela.
Saímos e fui levado para aquela casa. Ali encontrei uma pobre moça ainda adolescente. Era evidente que ela agonizava  e em breve encontraria o seu Criador. Uma pequena lâmpada na mesa ao lado da cama. Voltei o abajur para que seu rosto fosse iluminado, a fim de ver se a conhecia. Sentindo o que eu fazia, disse: -“Não creio que o senhor me conheça, mas eu o conheço, e sabia que o senhor viria orar comigo, porque estou morrendo. As moças aqui não acreditam, mas eu sinto que estou morrendo”.
Enquanto eu buscava na mente precisamente o que  diria para trazer aquela pobre alma ao Salvador ressurreto, ela resolveu o problema perguntando-me se não havia na Bíblia uma história de uma ovelha que saiu do aprisco para longe e se perdeu, mas o Pastor que fora atrás dela, e trouxe-a de volta.
Ó, sim, disse eu, é a história das noventa e nove ovelhas e uma que se perdeu.
Sim, murmurou ela, uma que se perdeu e repetia: uma que se perdeu.
Ajoelhei para orar por aquela moça agonizante, as outras moças se ajoelharam também, soluçando, pela companheira de quarto. Que reunião maravilhosa! Eu pregara a grandes congregações, mas nunca tivera uma audiência tão iluminada pela presença do Senhor Jesus como aquela.
Quando levantei a vista senti que jamais hei de esquecer a expressão daquela face: -“Oh! Ela exclamou: Ele está me unindo ao Seu coração”. Jamais ouvira aquela expressão antes e repetidamente ela dizia: -“Ele está me unindo ao Seu coração”. Retornei aquela casa mais tarde e soube que Maria já se extinguira, os carregadores do serviço funerário chegavam também naquele momento.
Uma das moças veio ao meu encontro e suas primeiras palavras foram: -“Como desejamos que o senhor estivesse aqui quando Maria se foi! Estava tão feliz, repetiu sempre: -“O Pastor me encontrou e me uniu ao seu coração”; e tentava por os braços ao redor de algo invisível. E então, com suave adeus para nós, ela se foi”.
Alguns anos mais tarde, eu pregava o Evangelho em certa cidade, quando uma jovem senhora veio a mim e perguntou sorrindo: - “O senhor não me conhece?” Quando lhe repliquei que não podia me lembrar com segurança, ela disse: -“Eu sou a moça que lhe contou como Maria morreu naquela manhã e quão feliz se sentiu em seu novo estado. Mas há algo que também quero dizer, uma ou duas vezes tentei escrever-lhe para contar a história, mas não tive coragem de terminar a carta”. – Muito bem, e agora? –“Só isto: naquela manhã quando o Bom Pastor trouxe Maria, a ovelha desgarrada em um ombro, eu vim no outro”.

*************************************

P. W Philpott – (Extraído)
De: “RAIO DE LUZ” – Oout. A Dez. de 1971


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Uma Poesia sobre Serviço!


Rogo-te que daqui não te apartes, até que eu venha a ti, e traga o meu presente, e o ponha perante ti. E disse: Eu esperarei até que voltes.” – Juízes 6;18.

“O PRESENTE”

1
Deus espera
Mui atento de seus filhos,
Uma oferta,
Um presente especial.
Consagrado, entregue
Com carinho,
E também,
um amor incondicional.

2
Ele quer que
Sempre, sempre
Apresentemos nossos corpos
Em sacrifício vivo.
Com coragem,
Em sua obra trabalhando
A cada dia,
Mais e mais ativos.

3
Deus almeja que
Também lhe ofereçamos,
A cada instante
O nosso coração.
Quebrantado,
E também arrependido
E assim d’Ele
Recebermos Seu perdão.

4
Ele espera
Que coloques neste tempo,
Tua vida e teus dons
Em Seu altar.
Hás de ver que
Com bênçãos sem medidas
Ele sempre,
Há de te recompensar.

5
O que tens
Para Deus oferecer?
Teu louvor? teu poema?
O teu tempo?
O que for
É só ao Mestre conceder:
Ele espera,
Feliz e mui atento!

***************************

Autora: Pérrima de Moraes Cláudio – Em: 18/04/2006

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Uma Poesia sobre a Bíblia!




“A BÍBLIA SAGRADA”

1
Este Livro quando o leio
Não é simples devaneio
Passatempo, ou distração;
A leitura que lhe faço
É constante, passo a passo,
Mas em busca de lição.

2
As lições que o Livro encerra
Têm mensagens não da terra,
Têm mensagens, sim, de Deus;
São lições do amor divino
Que balizam meu destino
E joeiram planos meus.

3
Tê-lo em mãos e na cabeça
É mui fácil que aconteça,
Muitos sabem ser assim;
Contudo o valor de fato
É sentir o seu relato,
Tê-lo mesmo dentro em mim.

4
Tê-lo comigo, estimado,
serenamente estudado,
consultado com amor;
Pois tenho nele  a verdade
A soberana vontade,
A vontade do Senhor.

5
Bem sei, a Bíblia Sagrada
É verdade revelada,
É mensagem singular;
É meu Livro diferente
Que repete para o crente:
Com Jesus procure andar.

6
Com a Bíblia, que perdura,
Antevejo, por ventura,
O meu ditoso porvir;
Devo, pois, sereno e atento,
No divino mandamento
Confioso, prosseguir.

******************

Autor:  Rev. Antônio de Campos Gonçalves

“VIDA CRISTÔ -  1985

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Uma Crônica sobre a fome!


"A  FOME”

Sabemos que a fome, é um flagelo terrível que assola milhares em toda a terra. 
Há também relatos bíblicos, de pessoas que tiveram fome, mas o nosso Deus, é Deus de milagres e no momento certo, Ele interveio, saciando assim a fome de todos.

No deserto:
O povo,  rumo à Canaã, murmurou, devido a fome que os alcançou: (Êxodo 16;3), Mas Deus,  prometeu a Moisés o maná, para que todos se alimentassem, e assim aconteceu. (Êxodo 16;4).

No ribeiro de Querite:
Elias profetizou , de que durante anos, nem chuva nem orvalho, cairia sobre a terra, (I Reis 17;1), mas Deus, não desamparou o seu servo e ordenou que ele ficasse junto ao ribeiro de Querite e ali, Deus o sustentou, pois Elias bebia da água do ribeiro e o Senhor, ordenou aos corvos, que trouxesse ao seu servo, pão e carne pela manhã e à noite. (I Reis 17; 4 a 6).

Em Gilgal:
Neste lugar, estava também a fome trazendo os seus tentáculos, (II Reis 4;38), mas  o nosso Deus abençoou os que estavam ali junto com o profeta Eliseu, pois um homem lhe apresentou ...“vinte pães de cevada e espigas verdes...”, só que o total de pessoas a serem alimentadas, eram cem, mas Deus ali, operou um milagre, pois todos comeram, foram saciados e ainda sobejou. (II Reis 4; 42 a 44).

Um lugar deserto:
Jesus e Seus discípulos, se retiraram para um lugar deserto, afim  de descansarem um pouco, mas a multidão os viu e foram ao encontro deles. O Senhor compadeceu-se daquele povo e os ensinava  muitas coisas. (Marcos 6;31 a 34). Porém, logo todos estavam famintos e Jesus disse aos discípulos: “Dai-lhes vós de comer”. (Marcos 6;37).  Mas como alimentar a tantos? Porém, com cinco pães e dois peixes providenciais, que foram multiplicados pelo Senhor, todos foram saciados e ainda sobraram doze cestos cheios do abençoado alimento. (Marcos 6;41 a 43).
. . . . . . . . . .
“Dai-lhes vós de comer.”  Sim, o povo perece de fome nos dias atuais; fome de justiça, fome de paz, de verdade e de salvação. Temos o alimento substancioso, que é Palavra de Deus, que salva, cura e liberta.
A ordem dada pelo Mestre, ainda ecoa até hoje: “Dai-lhes vós de comer!”
Com a mesma compaixão que o Senhor teve por tantos no passado em Seu ministério terreno, levemos a Preciosa Semente ao povo sem Deus e sem salvação! (Marcos 6; 34 e 37).

“Dai-lhes vós de comer!”

***************************************
Autora: Pérrima de Moraes Cláudio – 20/03/2014

sábado, 8 de outubro de 2016

Reflexão sobre o Dia das Crianças!


“CARTA DE UM FILHO PARA SUA MÃE”

Não se zangue, mamãe. Desculpe.
Desculpe, porque eu preciso desabafar. Eu sei que você está hiper ocupada, super cansada: que você se mata por nós. Ninguém sabe agradecer, mas todos nós lhe somos gratos. Mamãe, não se zangue. Nós queremos é você e não os seus serviços. Quem consegue conversar a sós com você?
Você ralha sempre comigo: é a nossa roupa suja, são as mãos imundas, os cabelos despenteados e o quarto desarrumado.
Sempre as mesmas reclamações... inúteis. Nem mais as ouço: já sei tudo de cor...
Está faltando é tempo para conversar. Quando volto do colégio, morro de vontade de chegar perto de você e contar tudo: as coisas misteriosas que me disseram; meus interesses; meus sonhos de futuro. Você está na cozinha, mexendo nas benditas panelas; eu sei que os quitutes não podem queimar-se. Mas você sabe que me queimam a alma suas frases fervendo de impaciência: 
- “Agora não. Não posso ouvir nada. Daqui a pouco. Espere.”
Faz anos que você diz isso.
O “Daqui a pouco” nunca chegou. E nós estamos fartos de esperar.
À noite, quando os menores ferram no sono, se eu pudesse ficar a sós com você, eu diria tudo: O LIVRO QUE ME IMPRESSIONOU, OS SEGREDOS DE MEUS AMIGOS, ATÉ MESMO OS MEUS PECADINHOS. TUDO EU DIRIA.
Você nunca se sentou à beira da minha cama para conversar. Ah! Se você soubesse a desordem que reina NO MEU CORAÇÃO!
Se eu pudesse um dia verificar que meus problemas interessam a você, eu me sentiria crescer. Eu seria bom. Eu me tornaria alguém...
NÃO SE ZANGUE, MINHA MÃE.
MAS... FALE COMIGO.

*************************


De “VISÃO MISSIONÁRIA” – 2º trim. 1990.-

sábado, 24 de setembro de 2016

Uma reflexão sobre a Salvação!


“PERGUNTA DE UMA RAINHA”

Conta-se um belo e autêntico incidente ocorrido na experiência da Rainha Vitória, da Inglaterra. Ela acabara de assistir a um culto na Catedral de São Paulo e ouvira um sermão que a interessara vivamente. Então pergunto ao capelão:
“Pode uma pessoa nesta vida ter absoluta certeza da vida eterna?”
O capelão respondeu que ninguém pode sentir-se absolutamente certo.
O incidente foi publicado nas notícias da Corte e chegou ao conhecimento de um humilde ministro do Evangelho, John Townsend, que era amigo íntimo de George Muller, cuja vida de fé o levou a fundar os bem conhecidos orfanatos.
Depois de ler a pergunta da Rainha Vitória e a resposta que lhe fora dada, John Townsend pensou e orou muito sobre o assunto. Enviou então à Rainha a seguinte nota: “À Sua graciosa Majestade, nossa amada Rainha Vitória, de um de seus mais humildes súditos:”
Com as mãos tremendo, mas com o coração cheio de amor, porque sei que nesta vida já podemos estar absolutamente certos da vida eterna que Jesus nos foi preparar, posso pedir à Vossa graciosa Majestade para ler as seguintes passagens das Escrituras:
-“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” – João 3;16.
- “A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé que pregamos.
Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus O ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.
Porque com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa a respeito da salvação”. – Romanos 10; 8-10.
Estas passagens provam que há completa segurança da salvação pela fé no Senhor Jesus Cristo para todo aquele que nEle crê e aceita Sua Obra consumada.
Subscrevo-me como vosso servo por amor de Jesus.”

John Townsend não estava sozinho em oração pelos resultados daquela carta enviada à Rainha. Outros se uniram ao seu segredo e oraram muito ao Senhor. Dentro de bem poucos dias, ele recebeu um envelope de modesta aparência contendo o seguinte:
Para John Townsend:
“A sua carta chegada recentemente foi lida com interesse. Li cuidadosamente e com oração as porções referidas das Escrituras. Creio na Obra consumada de Cristo por mim, e pela graça de Deus espero encontrar-me consigo nesse Lar acerca do que Ele disse: “Vou preparar-vos lugar.”
Vitória Guelph

**********************************

De:   “VIDA CRISTÔ  - 3º trim de 1988

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Um Poema para se ter um Bom Dia!



“BOM DIA!”

1
Bom dia! Diz o sol lindo e dourado,
com os seus raios, na terra a brilhar.
aquecendo o ambiente a toda volta
e o campo, também a fertilizar!
Pelos ares, canta o pássaro feliz,
com o seu canto afinado a alegrar
a quem passa, às vezes apressado,
sem nem mesmo, esta música notar.

2
Bom dia! Sussurrando chega a brisa,
refrescando a natureza multicor.
Embalando as flores no jardim
ou a árvore, em todo o seu vigor.
Diante de nós, o olhar de um animalzinho,
dócil, pela rua a passar;
muitas vezes, precisando de um carinho;
de quem lhe dê, atenção ao seu olhar.

3
Bom dia! Ecoa a música harmoniosa,
com seus solfejos, alegrando o ambiente.
Transformando o sentimento de quem ouve
e o coração, ficando assim contente.
Bem feliz, é o sorriso da criança,
inocente, absorta em seu brincar;
transmitindo a todos, confiança
e com o seu meigo semblante singular.

4
-“Bom dia!”  Diz o Mestre aos Seus filhos,
lhes  desejando, que tudo corra bem.
Em seus caminhos, cuidado e proteção;
em uma luta, socorro d’Ele vem.
-“Bom dia”! Minha amiga e irmã;
também, meu amigo e irmão.
Neste dia, por Deus presenteado,
muitas bênçãos e paz no coração!

***************
Autora: Pérrima de Moraes Cláudio -  03/2013
window.setTimeout(function() { document.body.className = document.body.className.replace('loading', ''); }, 10);